PREFEITURA SANTANA

Operação da PF contra tr√°fico internacional bloqueia R$ 126 milhões

Alvos são contas banc√°rias, ve√≠culos e im√≥veis de luxo no Rio

Por Bruno de Freitas Moura - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro em 16/11/2023 às 17:20:18
© Polícia Federal

© Polícia Federal

A Polícia Federal realiza nesta quinta-feira (16), no Rio de Janeiro, a segunda fase da operação Tamoios II, que visa uma quadrilha que atua na lavagem de dinheiro do tr√°fico internacional de drogas. A ação repressiva inclui o bloqueio de contas banc√°rias e sequestro de bens móveis e imóveis no valor de até R$ 126 milhões.

Cinquenta agentes cumprem oito mandados de busca e apreensão e sete mandados com medidas cautelares diversas da prisão. As buscas são feitas em endereços no Rio e em Nova Iguaçu, na região metropolitana. Os mandados foram expedidos pela 3¬™ Vara Federal Criminal.

De frente para a praia

Entre os bens sequestrados figuram dois apartamentos de luxo, que ficam de frente para a praia, na Barra da Tijuca, uma das √°reas mais nobres do Rio. Um deles pertence a um homem apontado como líder da quadrilha. Na garagem do imóvel, foi apreendido um carro de luxo blindado.

Uma casa em Angra dos Reis, √°rea turística na Costa Verde no estado do Rio, carros de luxo e motos aqu√°ticas também fazem parte da lista de bens sequestrados pela operação.

A Operação Tamoios II é um desdobramento de uma investigação iniciada em agosto de 2021, que identificou traficantes internacionais que transportavam cocaína, por rodovia, do Rio de Janeiro até Vitória, no Espírito Santo. Depois, as drogas eram acopladas – por meio de pequenas embarcações pesqueiras e com apoio de mergulhadores profissionais - em cascos de navios com destino à Europa. Os nomes dos envolvidos não foram revelados.

A ação desta quinta-feira é conduzida pela Delegacia de Repressão a Drogas (DRE). A Polícia Federal informou que o grupo alvo utilizava "sofisticados meios para ocultar e dissimular a origem de bens adquiridos mediante recursos advindos de suas atividades criminosas, em especial o tr√°fico transnacional".

Os investigadores se valeram de quebra de sigilos banc√°rios e fiscais que ajudaram a confirmar a aquisição de diversos bens em nome de terceiros, "com o fim de perpetuar a exist√™ncia da organização criminosa por intermédio da ocultação e/ou dissimulação dos bens, j√° que os investigados não tinham capacidade financeira e documentação fiscal que esclareçam a origem dos valores empregados na compra dos bens", explicaram.

Pelas redes sociais, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flavio Dino, comentou a ação da Polícia Federal. "Caminho certo contra o crime organizado", escreveu.

Fonte: Agência Brasil

Comunicar erro

Coment√°rios

DETRAN AL